Já reparou que a maioria das discussões sobre a Transformação Digital têm abordagens superficiais e pouco falam realmente dos produtos digitais e seu processo de desenvolvimento?

Isso não é em vão. Para abordar esse processo é preciso muito mais que meia dúzia de conceitos. No entanto, sem que exista análise, planejamento, estratégia e desenvolvimento de um produto digital, o sucesso de um negócio na nova ordem mundial está seriamente comprometido.

Todos os negócios que estão entre os melhores de seus segmentos estão inovando ou se planejando para isso, ou terão que amargar o destino de serem engolidos pelos produtos digitais desenvolvidos na concorrência a fim de, de forma mais simplificada e eficiente, atender às necessidades dos clientes e proporcionar experiências relevantes.

Aliás, esse movimento de melhoria da qualidade dos produtos e serviços ofertados ainda anda de mãos dadas com a eficiência operacional, financeira e administrativa dos negócios.

Se você e sua empresa desejam fazer um caminho diferente, comece por entender neste post:

  • o que são os produtos e plataformas digitais;
  • como eles podem ser a base da inovação do seu negócio;
  • quais os meios mais satisfatórios para o desenvolvimento do produto digital da sua empresa; e
  • como tudo isso permite que a sua empresa surfe nas ondas da Transformação Digital sem dificuldades.

Gostou? Então, boa leitura!

O que são os produtos digitais?

De forma sucinta, um produto digital é o resultado de um desenvolvimento tecnológico para a criação de um recurso ou serviço que tem em sua base um software e design baseado em experiência do cliente.

Tal produto traz uma utilidade fundamental para determinado público, seja otimizando alguma funcionalidade já existente, seja criando algo novo e disruptivo.

Ou seja, para o usuário, os produtos digitais são traduzidos em um front-end simples de ser utilizado, enquanto para o negócio, significa um sistema ou software que otimiza o processamento no back-end.

Entre os exemplos mais conhecidos, podemos citar os aplicativos bancários, de compartilhamento de transporte, marketplaces que reúnem diversas lojas, os versáteis chatbots, soluções de comunicação ou as bem-vindas plataformas de música e filmes em streamings.

É muito provável que você se relacione com pelo menos um deles diariamente, como é o caso das plataformas digitais.

O que é plataforma digital?

As plataformas digitais são modelos de negócios utilizados para cruzar mais eficientemente as demandas e ofertas de determinado produto ou serviço. Com efeitos de rede, as plataformas permitem escalabilidade e trazem benefícios tanto para as empresas, como para seus usuários.

O grande desafio desse modelo de plataforma digital é atingir o equilíbrio entre as duas pontas: existe um lado da prestação de serviço, ou venda de produtos, e do outro, o consumidor. Uma plataforma só será bem sucedida se conseguir criar condições de atratividade para os dois lados até que se atinja esse equilíbrio – e o segundo desafio é manter isso ao longo do tempo.

Alguns exemplos do modelo de plataformas digitais muito bem sucedidas no Brasil seriam o Ifood e a 99 (99 Taxi), e as globais Uber e AirBNB.

O que é inovação?

O conceito de inovação, apesar de sempre associado a área de tecnologia, é na verdade, muito mais amplo que isso, afinal de contas, é possível inovar sem que seja feito o uso ou implementação de qualquer ferramenta automatizada, baseada em dados etc.

É considerada uma inovação quando uma empresa cria, por exemplo, uma forma de embalagem mais resistente para o transporte no delivery.

Também é possível dizer que houve uma inovação logística caso uma empresa mude seu modal de transporte de caminhões de grande porte por carros compactos e ciclistas.

Segundo o radar da Inovação proposto por Sawhney, Wolcott e Arroniz (2006), é possível promover a inovação em diferentes elementos de um negócio, tais como:

  • oferta;
  • plataforma;
  • solução;
  • público-alvo;
  • experiência do usuário;
  • valores;
  • processos;
  • organização;
  • cadeia de fornecimento;
  • presença;
  • rede;
  • marca.

Existe ainda uma classificação sobre a representação da inovação para o negócio que leva em consideração sua dependência em relação ao produto digital, que pode ser sistêmica ou autônoma, quando envolve toda ou apenas parte da organização.

Seu impacto também é avaliado, e, nesse caso, pondera se trata-se de uma mudança radical no modelo de negócio ou apenas incremental.

Como podemos entender os movimentos da era digital?

Como se pode ver, a elevada dinamicidade do mercado está criando uma necessidade de muitas empresas e também entidades governamentais de adaptarem-se aos movimentos desta era digital. Ocorre que muitas destas organizações realizam este movimento de adaptação de forma proativa, mas outras o fazem reativamente, a partir de uma “dor” vivenciada.

É importante dizer que a Transformação Digital de um negócio não acontece de um dia para o outro, nem por causa da troca de um equipamento antigo por outro mais moderno.

O processo merece atenção, e, simplificando as etapas e maturidade de cada empresa, podemos entender diferentes aspectos de uma Transformação Digital:

Evolução e produtos digitais

Com a adoção mais massiva das metodologias lean e ágil como o kanban, a ideia de trazer pequenas melhorias para a rotina e seus processos começou a fazer sentido, embora ainda restrito a apenas alguns setores de suas estruturas organizacionais.

Produtos digitais na atualidade

Algumas empresas ainda estão em fase inicial neste processo, e não podemos dizer que seria uma estagnação, mas sim, um estágio do ganho de maturidade. Suas inovações e produtos digitais giram em torno de dores maiores do negócio, como, por exemplo:

  • evolução das ferramentas de comunicação interna, como serviços de emails, e relacionados aos seus clientes, como soluções que trazem a omnicanalidade para seus canais de atendimento ao cliente;
  • já de forma mais avançada, aplicando a metodologia Agile para transformar o modelo de desenvolvimento de softwares, porém, ainda não 100% eficiente na realização de ciclo de feedbacks sobre protótipos, o que ainda pode gerar custos elevados e maiores chances de fracasso;
  • aplicando conceitos como o DevOps, reunindo um conjunto de práticas para integração entre as equipes de desenvolvimento e as de operação e sustentação de softwares, com ênfase na agilidade e segurança para que cada nova versão ou incremento do produto possa ser publicada em ciclos curtos para os usuários finais, acelerando o processo de feedback e aprendizado;
  • Transformação Digital com o método lean, onde, além de reunir as pessoas certas e multidisciplinares para o desenvolvimento de uma inovação (com as quebras dos silos ou departamentos), a empresa consegue ter um timing de idealização e implementação destas novas ideias muito mais rápido.

A constante evolução dos produtos digitais

Um dos principais objetivos das metodologias e processos inovadores de criação, porém, não diz respeito apenas ao surgimento de novos produtos, mas também novas formas de criá-los e lançá-los mais rapidamente e antes de seus concorrentes.

Assim, é possível dizer que as organizações que desejam se destacar e proporcionar experiências diferenciadas passem a entender produtos digitais como centro da estratégia de negócio, sejam estas, por exemplo, empresas de grande porte, ou startups em busca de espaço no mercado.

Como se pode ver, ainda que uma empresa atue na área de tecnologia, quando o assunto é evolução, para a criação de novos produtos e desenvolvimento de relação estratégica com o mercado, é importante ter um parceiro ou prestador de serviço especializado no tema que possa garantir um apoio robusto para tal processo.

Por que os produtos digitais são importantes para a estratégia do negócio?

E, como isso pode ser trazido para a realidade do seu negócio?

Com um desenvolvimento especializado de um novo produto digital ou mesmo aprimoramento e inserção de novas funcionalidades, é possível aproveitar as oportunidades, aprimorar seus processos e fazer com que o negócio prospere de forma escalável, aumentando assim seu market share.

Vejamos em detalhes as principais contribuições.

Novos produtos dão suporte àqueles que já estão com o ciclo de vida avançado

Quando a organização já possui alguns produtos consolidados mas que não estão com boas performances comerciais, trazer versões melhoradas, novas funcionalidades ou até mesmo criar novos itens no portfólio é estratégico e pode ser muito eficiente.

Isso porque a base de clientes já conquistada pode ter o mesmo perfil de comprador, necessidades e interesses. Um exemplo prático: uma empresa desenvolve plataformas de Ensino à Distância (EAD) para universidades, e lança um módulo avulso com funcionalidades de gamificação; assim pode ofertar para o mesmos clientes pois sabe que trata-se de um diferencial.

Esse novo produto digital, no entanto, também pode atrair novos clientes, como universidades que ainda não tinham investido no EAD por encontrar ferramentas limitadas para suas necessidades e estilo de ensino.

Produzem melhores experiências aos clientes e usuários

Se otimizam os processo do negócio reduzindo seus custos operacionais, também garantem melhores experiências para os clientes ou usuários finais.

É factual, por exemplo, que as redes sociais hoje façam parte da realidade e cotidiano de milhares de pessoas economicamente ativas.

Para o setor varejista, independentemente do porte do negócio, oferecer canais de atendimento e relacionamento pelo Facebook, Instagram ou qualquer outra rede social é essencial, e, nesse sentido, nada melhor do que o desenvolvimento de um chatbot capaz de promover interações e conversões de vendas.

Se para a empresa é uma garantia da venda, para o cliente é uma experiência satisfatória, que respeita suas preferências e necessidades.

Como a volatilidade de mercado afeta seus processos e definições de negócio?

Fica evidente, portanto, que inovar não é puramente uma questão tecnológica, mas de acompanhar a volatilidade e constante transformação do mercado e, assim, manter-se alinhado com as necessidades e valores de seus clientes. E esse esforço deve ser intenso e contínuo, para que tenhamos cada vez mais organizações responsivas e organizações evolutivas.

Para responder devidamente ao desafio da inovação com relevância, é preciso ter profissionais talentosos e dedicados aos desenvolvimento de produtos digitais.

E, é aí que surgem vantagens de contar com um parceiro para o desenvolvimento. Explicamos.

Permite que as atenções dos gestores se voltem para a estratégia do negócio e core business

Ainda que uma empresa de tecnologia, SaaS ou que gerencie plataformas digitais trabalhe diretamente com tecnologias, fato é que seu core business é centrado nos serviços que oferece aos seus clientes, certo?

Então, é estratégico que tenha profissionais dedicados ao aprimoramento de tais soluções.

Com um parceiro para o desenvolvimento de produtos digitais, a empresa pode equalizar seu foco tanto na manutenção da sua operação (produto “vaca leiteira”), quanto na capacidade criativa inerente à inovação, desde que o seu parceiro seja capaz de construir uma boa jornada de descoberta para a iniciativa (criação de um novo produto “estrela”).

Garante que o foco esteja no processo de desenvolvimento de um novo produto digital

Em um modelo de desenvolvimento mais próximo de “fábrica de software”, uma empresa pode ser contratada para a execução de um projeto e normalmente segue as diretrizes e requisitos do contrato. Por consequência, muitas vezes o foco fica nos prazos e escopo do projeto pré-estabelecidos em detrimento do desenvolvimento do produto em si – com sua jornada de ideação, experimentações em ciclos curtos, ajustes, até o aprendizado com o seu lançamento.

Também, a internalização de todo o processo de desenvolvimento de produtos digitais pode parecer algo simples, mas, considerando que sua empresa está em pleno funcionamento, se uma demanda urgente acontece em algum processo ou ferramenta em uso, não seria incomum deslocar um ou mais membros de sua equipe para solucionar o problema? Neste caso, perderia-se o foco no desenvolvimento do novo produto digital devido a uma necessidade interna real da empresa.

Neste contexto, com uma equipe de desenvolvimento externa como parceira, todo o esforço técnico e criativo dela é colocado com a missão de desenvolver o produto digital com o máximo de inovação e conexão com o seu core business. E, neste processo de parceria para o desenvolvimento de novos produtos digitais pode-se incluir, entre outros:

  • a descoberta das necessidades dos consumidores;
  • a investigação preliminar de gastos, aspectos técnicos e a própria viabilidade da execução;
  • a construção de um plano de negócios para aquele produto;
  • seu desenvolvimento;
  • os testes e validação com o protótipo;
  • e o lançamento com seus aprendizados.

Ainda, quando tudo isso é feito com foco exclusivo e metodologias ágeis, os resultados podem ser apresentados muito mais rapidamente, o que para alguns mercados pode significar a eliminação de um concorrente, não é mesmo?

Melhorias contínuas, competitividade e posicionamento estratégico

Um dos principais gargalos no desenvolvimento de produtos digitais é a continuidade desse processo de melhorias e novas funcionalidades.

Quando você contrata um parceiro de tecnologia, especializado em desenvolvimento de produtos digitais e metodologias ágeis, você passa a ter um time totalmente focado no processo de desenvolvimento e descoberta do produto, e com uma capacidade de reação rápida para que o feedback em tempo real dos usuários entre já no próximo ciclo de desenvolvimento (geralmente 1 ou 2 semanas). Algo inimaginável para o modelo de “fábrica de software” tradicional.

Então, consegue perceber como parceiros de desenvolvimento podem ser primordiais para o sucesso do seu projeto? Já desenvolve produtos digitais ou gostaria de iniciar uma análise detalhada de quais são as carências de seu mercado?

Então, você considera que sua empresa está inserida nesse cenário de ampla competitividade e transformação? A Invillia pode ser um parceiro de tecnologia estratégico que pode oferecer, além de todo o conhecimento de seus especialistas, a experiência de sucesso com clientes de diferentes segmentos.

Quer conhecer mais sobre a Invillia?

Entre em contato conosco agora mesmo que teremos prazer em apresentar-lhe como podemos ser o seu parceiro estratégico de tecnologia e de inovação!

Postado em 11/07/2019

Invillia

Artigos relacionados