Este é o segundo de 4 artigos de nossa série Squads. Aqui você encontra o significado de termos amplamente difundidos e vindos da estrutra de Squads Spotify. Continue nos acompanhando!

Antes de mais nada, você pode obter mais detalhes de como é a estrutura de Squads – centradas no produto e no cliente final do Spotify no próprio paper Scaling Agile @ Spotify. Além disso, pode também consultar vídeos divulgados por Henrik Kniberg, como por exemplo Scale Agile. Vale a pena lembrar que se trata de um relato de 2012 onde, muito possivelmente, tiveram diversas evoluções…

A imagem abaixo resume os termos mais utilizados no contexto de Squads Spotify e que se difundiram rapidamente para muitas empresas.

Representação esquemática da estrutura de Squads do Spotify. Fonte: Scaling Agile @ Spotify .
Imagem: Representação esquemática da estrutura de Squads do Spotify. Fonte: Scaling Agile @ Spotify .

O que temos na vertical na imagem de Squads Spotify?

Primeiro, uma Squad é composta por um Time, representada na vertical da imagem. A Squad é auto-organizada, cross-funcional e possui autonomia suficiente para decidir o seu próprio processo interno, além de ter relação com os stakeholders. Algumas Squads utilizam o Scrum, outras o Kanban e outras uma mistura de ambos. Uma Squad atua no desenvolvimento de um produto até a sua entrega final.

Cada Squad, é constituída por um PO (Product Owner), pelos profissionais de desenvolvimento, e um Agile Coach – compartilhado por outras equipes relacionadas à mesma parte de um produto. O Product Owner é responsável pelo backlog do time e priorização das atividades. Assim, é como se fosse o gerente do produto, responsabilizando-se pelo desempenho do time diante da direção da empresa. Por sua vez, Agile Coach facilita o fluxo de trabalho, atuando em retrospectivas, reuniões de planejamento do Sprint, além de atuar como Coaching para os membros do time. É comum que as Squads contenham de 3 a 10 pessoas. 

Diversas Squads, que trabalham para um mesmo produto ou áreas correlatas, formam uma Tribe (Tribo). Nesse sentido, cada Tribo possuí um líder, responsável por manter o melhor ambiente de trabalho para os times que a compõe.

Com a estrutura de Squads não há liderança formal. Dessa forma, lideranças são mais orgânicas, já que os times são auto-geridos. Eles se baseiam em aspectos técnicos e funcionais do trabalho e de seus projetos. Também não há uma divisão funcional constituída de papéis tradicionais. Todos os envolvidos em determinado projeto trabalham conjuntamente e complementarmente, cocriando soluções.

E na horizontal, o que temos?

Na horizontal, a estrutura está mais relacionada a troca de conhecimento e melhoria contínua. Por exemplo, imagine que um analista de teste esteja enfrentando um problema em um time. Este mesmo problema já pode ter sido resolvido por outro analista de teste de outra equipe. Para isto, existe o Chapter (Divisão ou Capítulo). Um Chapter possui um conjunto de profissionais na mesma área de competência, dentro da mesma Tribo. Os Chapters podem ser formados, por exemplo, por programadores, por analistas de teste, Agile Coaches ou Product Owners.

Por outro lado, o conhecimento também pode ser compartilhado entre diferentes Tribos. Este grupo é chamado de Guild (Associação), ou seja, uma espécie de comunidade de interesse que deseja trocar conhecimento, ferramentas, códigos e boas práticas. As Associações podem ser as de tecnologias web ou as de testes, como por exemplo. As trocas de conhecimento ocorrem por meio de encontros frequentes entre os associados.

Concluindo…

Muito bem, aqui você ficou por dentro de termos comuns quando o assunto são Squads Spotify. Termos estes amplamente difundidos para diversas organizações. Não poderíamos deixar de citá-los, não é mesmo?

Além destes, você conhece outros termos ou mesmo conceitos provenientes do Spotify que gostaria de compartilhar aqui conosco?

Acompanhe esta série de artigos sobre Squads e leia no artigo 3 algumas dicas práticas para que você construa seu próprio modelo de Squads ou implante melhorias no modelo que já vem rodando em sua empresa!

Por: Adriana Spinola e Homero Araújo, Invillia.

Fontes:

LKBR17: Desmistificando o não modelo Spotify – Henrique Imbertti Jr

Postado em 03/05/2019

Invillia

Artigos relacionados