Neste artigo, eu Jenifer, 24 anos, conto minha experiência como mulher na área de tecnologia.

 

Alguns desafios

Durante o curso técnico peguei amor pela área de TI, então decidi cursar o tecnólogo em análise e desenvolvimento de sistemas e, para a minha surpresa, havia somente mais uma mulher além de mim.

Com o passar do tempo, fui percebendo que para a maioria das pessoas que eu falava que a área de TI era a minha paixão, a surpresa era inevitável….“Nossa, mas você não acha ruim terem poucas mulheres nessa área?”.  Ou então: “Seu namorado não acha ruim você ficar rodeada de homens na faculdade?”. Infelizmente eram questionamentos comuns que recebia. Mas sempre costumava responder com bom humor, apesar de me sentir incomodada com a situação.

Ao ingressar no mercado de trabalho, inicialmente, cheguei a acreditar que essa distinção entre homens e mulheres era mito. Também, que não existia isso na área de TI, até passar por algumas situações inconvenientes.

Quando recebi a notícia de que mais uma mulher ingressaria no meu setor fiquei extremamente feliz. Porém, ao receber os comentários “Olha lá hein Jenifer, tá vindo uma mulher pro setor, vê se não cria picuinha”. Ou: “Nossa vai ser difícil aguentar duas mulheres com TPM aqui na sala”,  fiquei muito magoada. Ora, por que todos não poderiam apenas pensar na vinda de mais uma mulher para a equipe como algo benéfico?

Uma jornada de oportunidades

Hoje, como Invilliana, me sinto livre para dar opiniões além de participar de decisões junto ao time. Isto, não somente como uma mulher, mas como colaboradora ativa da empresa. Aqui, consigo compartilhar livremente meu conhecimento e aprender cada vez mais, assim como preconiza o Management 3.0.

O que mais me alegra é ver que aqui posso evoluir de acordo com meu potencial. E, inclusive, me anima ver a cada dia mais mulheres ocupando cargos técnicos e de liderança. Na Invillia foi a primeira vez em que senti que o cargo de QA (Quality Analyst) não é só para as mulheres. Ainda, que TI não é algo exclusivo do sexo masculino, mas sim para todos que tem interesse na área.

No mês de março a Invillia patrocinará e sediará o TestGirls, evento direcionado somente à mulheres. Será uma honra receber todas as interessadas em qualidade de software em nossa empresa.

Seguem abaixo alguns depoimentos de nossas queridas Invillianas.

Karla Lima, QA da equipe Tróia

“Aqui tenho liberdade para me expressar, para me comunicar com todos os colaboradores independente da área ou cargo, mas nem tudo são flores, ainda tenho vergonha de fazer algumas perguntas técnicas. Ter um evento direcionado para mulheres vem pra agregar. Também para dar mais forças para que outras garotas que curtam tecnologia percam o medo de fazer parte e conhecer mais sobre o nosso mundo.”

Ligiane Mara de Oliveira, QA da equipe Nexus

“Meu dia a dia na empresa, tem sido mais tranquilo agora, mas no começo não foi tão assim. No começo eu tive um pouco de dificuldade em me enturmar, porque só tinha eu de mulher na equipe. Então você meio que tem que conquistar seu espaço, porém o pessoal aqui é muito tranquilo e não demorou muito já me sentia em casa. Os meninos sempre me respeitaram e o que eu precisasse deles, ou de qualquer outra pessoa aqui da empresa sempre estiveram dispostos a me ajudar. 

Então eu gosto bastante de trabalhar aqui, agora a comunidade de QA está bem unida, nós tivemos um treinamento chamado talent pool que foi bem legal também, então só não aprende quem não quer porque oportunidades não faltam aqui. Aqui eu sinto que meu trabalho como QA realmente agrega ao processo, aqui eu tenho o poder de decisão e minhas ações são respeitadas pela equipe e isso faz toda diferença.”

Deixo aqui meu agradecimento à Invillia por proporcionar às mulheres oportunidade de crescimento profissional e pessoal!

Por: Jenifer Souza Silva, QA na Invillia.

Postado em 27/02/2019

Invillia

Artigos relacionados